Select language:  NL   EN   FR  ES   PT   DE   EO   Imprint

+ Leia informações interessantes sobre o mundo dos bens! + + Escolha entre a enorme variedade de produtos! + + Aproveite os melhores Preços na sua loja de departamentos online! + + Compre produtos de uso diário super baratos! +






kurzwaren-schnäppchenmarkt



O mundo das compras de Lisa ...



Lisa nasceu na França. Desde que ela deixou a casa dos pais, o mundo inteiro se tornou de alguma forma seu lar. Entre outras coisas, estudou alemão durante vários anos na Universidade de Heidelberg, na Alemanha. Gostaria agora de publicar aqui os seus primeiros trabalhos, nos quais aborda em particular o contexto histórico e cultural do vestuário!

Não sabemos de que região ou cultura vêm os nossos leitores. Mas talvez fosse interessante para algumas pessoas conhecer a evolução do mundo da moda numa perspectiva europeia.

Lisa ficaria muito feliz se você se divertisse lendo os textos dela...




Um pouco da história das lojas de departamentos


A primeira loja de departamentos da Alemanha é provavelmente a Kaufhaus am Brand em Mainz, construída em 1317. A partir do século XVI existiam “Kauffhaus” em muitas cidades alemãs. Esses edifícios forneciam espaço para vendedores, açougueiros, padeiros, tecelões, peleteiros e outros comerciantes. No primeiro andar costumava haver um salão para casamentos e também para eventos de dança.

No entanto, a era das lojas de departamentos privadas começou no Japão em 1673 com o 'Echigoya', que anunciava 'vendas à vista a preços fixos' com o slogan publicitário 'Genkin kakene nashi'. Ainda existe hoje como uma rede de lojas de departamentos sob o nome de 'Mitsukoshi'.

Quase ao mesmo tempo, as primeiras lojas de departamentos foram fundadas na Inglaterra e nos Estados Unidos. A primeira 'loja de departamentos do povo' foi a 'Howell & Co', fundada em 1796 no Pall Mall, em Londres.

Em 1839, Rudolph Hertzog abriu uma loja de departamentos com seu nome em Berlim. O famoso 'Harrods' em Londres existe desde 1834. Na França, as 'Galeries Lafayette' foram inauguradas em Paris em 1894.

Hoje, as lojas de departamentos clássicas da Alemanha, como 'Kaufhof' e 'Karstadt', estão cada vez mais em apuros. Suas vendas caíram reais 34,8% entre 2003 e 2023. O número de funcionários caiu 21,7% nesse período.

Em contraste, o retalho fixo beneficiou com um aumento nas vendas de 11,3 por cento e as encomendas por correspondência e o retalho online beneficiaram com um aumento de 170,1 por cento nas vendas no mesmo período.



A evolução da moda ao longo dos séculos



Na antiguidade, ou seja, no Egipto, na Grécia e no Império Romano, o vestuário era utilizado, para além da sua função protectora, principalmente para expressar estatuto social e como sinal de pertença a um determinado grupo. Robes, togas e sandálias eram as roupas típicas desta época.

Na Idade Média, o estilo de vestir foi fortemente influenciado pela religião e pelas estruturas feudais. Túnicas e mantos que iam até o chão indicavam status social. Decorações elaboradas em roupas e joias eram reservadas exclusivamente à nobreza.

Durante os períodos renascentista e barroco, foram desenvolvidos novos materiais que permitiram produzir roupas de forma mais elaborada e magnífica. Espartilhos, babados e decorações opulentas são típicos disso.

A era vitoriana e a industrialização associada no século XIX tiveram uma grande influência no estilo de moda desta época. Vestidos de gola alta feitos de tecidos rígidos e espartilhos justos eram agora populares. O início da produção em massa tornou possível produzir roupas de forma mais rápida e econômica.

A Primeira Guerra Mundial também influenciou o vestuário feminino. As mulheres passaram a usar calças e preferiram roupas confortáveis ​​e práticas. Tudo ficou mais funcional e menos extravagante.

No início do século XX, os “loucos anos 20” trouxeram festas selvagens, dança e jazz. As mulheres usavam vestidos curtos e o corte de cabelo bob característico tornou-se popular.

A Segunda Guerra Mundial seguinte trouxe consigo o racionamento de bens e, portanto, havia demanda por roupas práticas e duráveis.

O pronto-a-vestir foi desenvolvido no período pós-guerra. Aos poucos, isso permitiu que a população em geral participasse das últimas tendências da moda.




História do pronto-a-vestir na Alemanha



De acordo com o significado da palavra, confecção nada mais é do que produção ou manufatura. Na França, o termo 'Prét-á-porter' é usado.

Em contraste com a alfaiataria sob medida, que requer vários acessórios durante a produção, as roupas prontas para vestir são geralmente produzidas em massa de maneira organizada industrialmente.

Até meados do século XIX, as roupas eram confeccionadas de maneira tradicional por artesãos organizados em guildas de alfaiates. Eles faziam principalmente peças individuais sob encomenda.

Já em 1800, os empresários individuais começaram a empregar um grande número de costureiras para poder produzir roupas em série. Mas ainda era costurado à mão. Essas empresas de vestuário existiam inicialmente na França e na Inglaterra. Nos pequenos estados alemães, este desenvolvimento foi retardado por laços rígidos entre guildas.

A primeira loja de roupas alemã foi fundada em Hamburgo.

A produção em série de casacos começou em Berlim em 1836. Por volta de 1900, Berlim e Breslau brilharam como os locais mais importantes para a indústria alemã de lavanderias e roupas.

No entanto, também surgiram outros centros de produção industrial de tecidos. Estes incluem Herford, Bielefeld, Mönchengladbach, Rheydt e Krefeld.

Apesar destas abordagens à produção industrial de vestuário, esta indústria permaneceu caracterizada por pequenos negócios e artesanato durante o Império Alemão.

Após os anos de escassez durante as duas guerras mundiais, esta indústria também voltou a florescer inicialmente na República Federal da Alemanha. A “onda da alimentação” também foi acompanhada por uma “onda da roupa”. A necessidade de recuperação da população era quase insaciável.

Como resultado, as capacidades das fábricas foram inicialmente ampliadas. Quando a procura diminuiu, os fabricantes de vestuário da Alemanha Ocidental conseguiram agora compensar a falta de procura através das exportações para os países ocidentais vizinhos. A fundação da Comunidade Económica Europeia (CEE) em 1957 tornou isto mais fácil.

Mas, em última análise, a indústria tinha pouco para contrariar as importações provenientes dos países do mundo socialista, do sul da Europa e do Leste Asiático. Por exemplo, camisas de Hong Kong eram oferecidas pela metade do preço de um fabricante da Alemanha Ocidental.

A produção foi gradualmente deslocalizada para os chamados “países de baixos salários”. Além da administração comercial da empresa, o design de novas roupas e o controle de qualidade permaneceram na Alemanha.



Função sociocultural do calçado


Não importa a época, quem possuía sapatos levava vantagem. Um sinal de rico ou pobre.

Os adolescentes sempre puderam vivenciar isso desde cedo. Possuir sapatos transmitia-lhes, na consciência da infância, que tinham um status social mais elevado do que aqueles que não possuíam sapatos.

Até meados do século XX, o calçado também influenciou os diferentes ambientes de vida das crianças na cidade e no campo. De abril a novembro era comum andar descalço no campo. No inverno, as pessoas usavam, na melhor das hipóteses, sapatos de madeira, o que muitas vezes deixava os tornozelos doloridos. Equipados desta forma, o muitas vezes longo trajeto até a escola também foi superado.

Na cidade, o status social às vezes também se refletia no traje do sapato. Se o filho de um trabalhador possuísse sapatos, ele só poderia usá-los em ocasiões especiais e, portanto, sentiria que pertencia aos melhores círculos da classe trabalhadora.

Se uma criança possuísse sapatos, eles eram protegidos, cuidados e muitas vezes transmitidos de geração em geração. Portanto, se uma criança tivesse irmãos mais velhos, eles receberiam os sapatos quando os crescessem.

Desde 1918, quando a produção industrial de calçados se tornou gradualmente possível, também se tornou possível que setores mais amplos da população possuíssem calçados sólidos.

Mesmo num passado recente, o uso de determinados sapatos expressava pertencer a um determinado grupo social. No final do século XIX e início do século XX, por exemplo, os defensores do “retorno à natureza” e dos movimentos pacifistas gostavam de usar sandálias simples. Nas culturas juvenis posteriores, certos sapatos de marca tornaram-se um símbolo externo de pertença a um grupo.

Hoje em dia alguns simbolizam, por ex. B. com roupas de negócios sofisticadas combinadas com sapatos de alta qualidade feitos de couro de bezerro fino, você não precisa fazer nenhum trabalho físico e se sente pertencente ao estabelecimento.

O que o uso de determinados sapatos expressa pode ser entendido como uma espécie de “linguagem” intercalada com códigos e regras. Dependendo da respectiva cultura, estes são utilizados e interpretados de forma diferente.



A profissão de alfaiate na Alemanha


O comércio de alfaiataria existe desde meados do século XII. Na Alemanha é um aprendizado em processamento têxtil. Desde meados do século XIX, nesta profissão é feita uma distinção entre alfaiates femininos e alfaiates masculinos. No exame de mestre artesão dos regulamentos das guildas mais antigas, era necessária a produção de uma “peça feminina”.

A diferença de artesanato entre essas duas profissões está no corte das peças. Na alfaiataria masculina, o foco principal está no ajuste preciso e correto. Na alfaiataria feminina, a modelagem das peças é mais importante. Há mais trabalho com dobras, larguras e trações de tecido para obter efeitos vantajosos. As ferramentas manuais clássicas do alfaiate sempre foram agulha, linha, tesoura, ulna e ferro. Desde o século XIX também a máquina de costura.

Claro que também existem especialistas neste ofício. O cortador de couro é especializado no processamento de couro. O peleiro no processamento de peles. A costura branca transforma principalmente tecidos brancos em roupas de cama, toalhas de mesa, etc. Bordar e decorar tecidos brancos, como lenços, roupas íntimas, etc., também fazem parte da costura branca. Desde 2005, o trabalho de cortador de alteração (anteriormente cortador de corte) também tem sido um dos aprendizados na Alemanha.

Antigamente as pessoas vestiam-se com panos drapeados. Foi só quando surgiu o desejo por roupas adaptadas ao corpo que os mosteiros descobriram a alfaiataria como campo de atividade. As famílias sempre trabalharam na confecção de roupas. A profissão de alfaiate foi documentada pela primeira vez em meados do século XII. Naquela época, esta atividade era considerada “trabalho de mulher” e não teve respeito na sociedade durante séculos.

Os alfaiates, também conhecidos como “trabalhadores de costura”, eram muitas vezes pessoas com deficiência que não conseguiam realizar trabalhos físicos pesados. Esta circunstância também dá origem à imagem, gravada na mente de algumas pessoas, do alfaiate agachado sobre a mesa com as pernas dobradas sob o corpo.

Gradualmente, os alfaiates também foram autorizados a organizar-se em guildas. A 'Associação das Guildas de Alfaiates Alemães' foi fundada em Berlim em 1884. Um total de 861 guildas de alfaiates de 15 distritos pertenciam a esta associação. Essas guildas também administravam escolas de alfaiataria. Nessa época também existiam academias de vestuário, em sua maioria organizadas de forma privada.

Hoje, a maioria das roupas é comprada na prateleira. As chamadas roupas prontas para vestir. Dado que as possibilidades de automatização na produção de vestuário são limitadas, a produção continua a exigir muita mão-de-obra. Portanto, as atividades de produção mais importantes na profissão de alfaiataria são agora em grande parte realizadas por trabalhadores, por exemplo, na China ou no Vietname. Nestes países, o trabalho das pessoas é remunerado muito menos e pode, portanto, ser obtido a um preço mais baixo do que na Alemanha. As profissões de alfaiate por medida, alfaiate de moda e designer de moda, que surgiram do trabalho do alfaiate, permaneceram connosco.



Espero ter conseguido entretê-los bem até agora. Mas se você quiser, tenho mais alguns ensaios para você na próxima página! Interesse? - Então por favor clique aqui!





kurzwaren-schnäppchenmarkt





Copyright © 2024 by Koppmann.com



en la parte superior de la página
Vá para a página seguinte
para a oferta anterior